A casa onde moro

Na casa onde moro
Ainda tem o giro-giro dos pássaros de rios e lagoas;
Ainda tem matas e florestas
E lá, bem dentro delas,
O pio de curicacas e inhambus,
Aranquãs e uirapurus.
E pra sorte de todas as curas,
O sol é despertado com cantorias
De sabiás e saracuras.

E seus raios brilhantes vão rompendo,
Doces e grávidos de contínua vida,
A noite de mil seres e mil outros sons,
Que se recolhem em cooperação de outros tantos.
A casa em que por hora habito,
Partilho com quem vier,
Com quem passar:
Um café ou um chá,
Frutas frescas da mata nativa,
A água da nascente límpida,
A vida abundante deste lugar.
Na casa onde moro
As ondas são feitas de mar e ventos
E tudo só me traz contentamentos:
Do mar, os seus agitos,
Dos rios, os seus remansos,
Da floresta, a imensidão,
Da vida, jardins de encantamento,
Das montanhas, a povoada solidão.

12 respostas para “A casa onde moro”

  1. “EU QUERIA TER NA VIDA SIMPLESMENTE UM LUGAR DE MATO VERDE ,PRA PLANTAR E PRA COLHER,TER UMA CASINHA BRANCA DE VARANDA UM QUINTAL E UMA JANELA PARA VER O SOL NASCER…”ACHO QUE ESSE LUGAR RETRATA BEM ESSA MUSICA QUE É UM SONHO QUE MUITAS PESSOAS SONHAM….PARABÉNS

  2. Parabéns a vocês! Que maravilhoso e que benção para o planeta que vocês existem e estão fazendo a diferença rumo a um mundo mais justo, solidário e auto-sustentável. . Também estou iniciando este caminho, e pretendo, no local onde moro, transformá-lo, entre outras coisas, em uma ecovila, e reunir pessoas que partilhem um profundo sentimento de amor à Terra e um profundo desejo de se moverem e vivenciarem um caminho para uma condição de sustentabilidade social, cultural, econômica, ecológica e espiritual. Um abraço.

  3. Amigo Ricardo,grato pela visita. Sem dúvida tudo é um e único e nós, versos do Universo.
    Fraterno abraço! João

  4. Grata surpresa,
    Que vem e que tem com certeza,
    Garrafas para vender,
    Mascate de sensações, que as trevas conheceu,
    E para a luz valorizar ascendeu,
    Sou filho, sou pai, sou irmão,
    Sou igual, sou peão,
    Até onde vai nossa fé,
    Que a maldição move e a benção relaxa,
    Como disse o grande Willian,
    Que também vendia garrafas.

    É uma honra escrever para você, irmão distante, mas que se banha com essa mesma lua, è tudo um e único.
    Rico.

  5. João de D´Eus
    Amigo cá de nosotros mortais
    João dos homens
    Que, como nós,
    É feito de carne, osso e
    Uma essência diferente composta de “amorais”

    João, João
    Tua casa é a minha casa
    Minha casa é a tua casa
    Co-habitamos a mesma casa
    Ou será o mesmo lar

    Aqui as coisas tem o tempo certo
    com gosto silvestre
    cheiro puro
    ambientes Naturais

  6. Que bom e confortante ver tua alegria e vibração.
    Estou muito feliz por você!
    Ah! …. As sementes chegarão aí, tenho certeza.
    Trouxe-as para o Sete Lombas.
    Grande e fraterno abraço.
    Adri

  7. Grato, Vani, pela doces palavras. É bom ter sonhos e as vezes até contar pros outros, não? O verdadeiro desafio é ir concretizando, transmutando, interligando esses mundos.
    Fraterno abraço, João Marino.

  8. Uma casa de sonhos e realidades.Realidades que se transmudam nos sonhos de muita gente.Sonho é a realidade que agora vives,João, e que nos oferta por meio do teu lindo poema.Um abraço.

O que pensou? Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.