Colaboração e felicidade

“A colaboração é um atributo da maneira como as pessoas se organizam.”

Tenho muitas dúvidas sobre essa afirmação. Em experiências na minha empresa percebi que uma organização horizontal sem hierarquia favorece à colaboração. Mas também percebi que a colaboração não é atributo apenas da maneira como as pessoas se organizam. Vejo muitos casos de colaboração mesmo em organizações hierárquicas. Há razões internas das pessoas (não manifestas) que também levam à colaboração. Nossa sociedade foca apenas no manifesto (fala, ações, ambiente, etc.). Mas também há cooperação/colaboração quando há pessoas que “vêem” além das aparências. Não significa que são boazinhas ou algo assim, apenas focam além das aparências, na essência das pessoas, a partir de si próprio.

felicidade em japonêsEsses ideogramas japoneses representam a felicidade. Significam “pessoa feliz”, pessoa que se ajusta. Ou “pessoas felizes”, pessoas que se ajustam entre si.

12 respostas para “Colaboração e felicidade”

  1. Partindo do ponto de vista que todos devemos ter os mesmos direitos, um modelo mais centralizado de organização pode desprivilegiar certas pessoas, o que muitas vezes é injusto em relação à essência dessas pessoas. Então se importar com a organização em que está inserido, também pode significar respeito a essência das pessoas.

    1. colaborar ou cooperar
      o que impede esta prática? Tudo e Nada
      um “sistema” de organização seria suficiente o bastante? Não, criatividade está no enredo.
      uma intenção voluntária? Sim e Não. O outro é que deve sensivelmente pedir…

      Grato
      José

  2. Cooperar
    Operar – Atuar – Obrar
    Ar – Atmosfera – Abstrato – Pensamento
    Amalgama que permeia as relações nas diversas dimensões, balizadas pelo intimo de cada um:
    Coopero: abalo, alegoria da utopia.
    Coopero: entendo, conheço e escrevo o conhecimento.
    Coopero: mutável, adaptável e faço a resolução.
    Cruz: fixa.
    Enredo.

    Agradecido,
    José

  3. O “dono” do sistema (ferramenta) criada pelo homem é a instituição. Ferramenta obsoleta diante da nova Era… É da natureza das instituições criar acessórios; subprodutos da negação da Lei da Natureza…
    O desafio é cooperar no contraditório. É atributo do homem natural cooperar com o Todo… Felicidade é utopia. A maneira como coopero comigo determina meu potencial de resistência diante da negação da missão. A missão (vocação) do homem é a combinação com o real.

  4. A “culpa” não é do sistema, mas do dono do sistema… Aproveitando da tua brincadeira, Carla! Risos
    … uma ligação criativa, com estilo…
    Grato,
    José

  5. então…. os revolucionários de plantão estavam certos! – a culpa é do sistema! hehehe
    brincadeira.
    agora, sério, vim pensando nisso e me lembrei dos atomos, que se ligam em relações de necessidades mútuas em “busca” da estabilidade química, ou física.
    enfim, são estas relações que dão forma à coisa que irá se transformar daí em diante. Exemplo: água, e etc…

    estou formulando já a algum tempo algo referente à isso no design.

    1. legal Carla… os átomos são os mesmos, mas a maneira como se relacionam é que vai determinar o que são… carvão ou cristal, etc.
      Será que nos damos conta que numa empresa ou noutro tipo qualquer de organização humana, poderíamos ter relações diferentes e que transformariam completamente essa organização, com as mesmas pessoas?
      Ao invés de nos auto-observar e observar os outros, apenas imitamos o que achamos que deve ser a melhor maneira de organizar uma empresa (igual a do vizinho), gerando relações artificiais em que nos sentimos desconfortáveis e a criatividade é menor ou não existe, e a inovação não existe.

  6. É José, são pensamentos. Mas (ainda) não são dogmáticos. Esses três pensamentos dão muito o que conversar. Porque você acha que são dogmáticos?
    Pra mim tem algumas razões por trás de cada uma das frases… mas estão aí para serem examinadas, corrigidas e melhoradas.

    Sobre a primeira frase:
    Parece que as pessoas colaboram, não porque são boazinhas, ou não são apenas as pessoas boazinhas que colaboram. Então o que predispõe as pessoas a colaborar?
    Parece que todas as pessoas colaboram quando nada as impede. É natural do ser humano. Mas porque então há grupos de pessoas em que há colaboração e outros em que não há?
    Talvez seja a maneira como se organizam… de uma maneira mais distribuída (sem hierarquias), com mais possibilidade de se conectar (conversar) com qualquer pessoa, ou com aquelas que se adequam melhor entre si, com propósitos comuns e claros, etc.

    O que acha?

    1. Então, mesmo sendo sinônimo prefiro a palavra “cooperação”, agrega respeitando a individualidade…

      A primeira frase “nega” um tributo, ao negar entra no dualismo e o dualismo não é natural, não pertence à Lei da Natureza, assim prefiro: “Essencialmente coopero quando incorporo a vocação individual unida coletivamente”.

      A segunda frase somente é verdadeira separada das instituições…

      O grau de felicidade está abotoado em aceitar de bom grado o que devo fazer.

      Grato,
      José

      1. Por algum tempo fiz distinção entre as palavras colaboração e cooperação, porque colaboração se referia apenas ao trabalho conjunto e não a pensar juntos. Mas pode-se perceber hoje em dia que mesmo quando as pessoas usam essa palavra (colaboração) ela estão se referindo a uma maneira mais inteira de fazer juntos. Agora uso somente colaboração, é mais simples. O que importa é o eu quero dizer com isso.

O que pensou? Comente