Tag: kensan

O encantador de cães

Estas são observações feitas a partir dos vídeos do Cesar Millan, o encantador de cães, sobre relacionamento e comportamento de cães e pessoas.

Há uns meses atrás comprei um livro do Cesar Millan para meu filho Gabriel que gosta muito de animais e principalmente de cães, mas pouco de leitura. Passamos a conversar sobre os casos relatados pelo Cesar e sobre a sua própria história de vida. De um motivo pra gostar de ler, surgiram outros motivos e acabamos assistindo aos vídeos dele no Youtube.

Cezar parece ter percebido algo que poucas pessoas se deram conta sobre cães e, acho também, sobre pessoas. Mas o que será que tem de tão especial na abordagem dele?

O bom de examinar esses vídeos é que são de casos reais e podemos examiná-los quantas vezes quisermos.

Vídeos de casos que selecionei (dublados)
Que tal usar um tempo para examinar os vídeos abaixo? E anotar os pontos que lhe chamaram a atenção antes de seguir a leitura? Apenas para ter suas próprias impressões antes de se unir às minhas.

Opie (parte 1)

Continue a ler

Sobre “Os agentes do destino”

Essa não é uma resenha e nem preserva os pontos chaves ou o final do filme. Mas também não é nada definitivo, é apenas o meu ponto de vista sobre o filme.

Fiquei com vontade de rever esse filme e falar sobre ele depois de ler um texto dizendo que o ponto alto do filme era a fala final do filme, transcrita ao final desse texto. E não foi somente por pensar diferente sobre qual parte do filme foi a mais importante, mas porque achei muito cômodo encontrar o tesouro numa explicação teórica, como gostam os intelectuais. Vamos ver o filme e encontrar na trama o ponto culminante, aquele ponto que não tem mais volta, que é como acontece no cotidiano, ler a mensagem na imagem, o mais direto possível.

Continue a ler

Eu fiz Naikan

Acompanhei de perto o interesse de meus amigos da Vila Yamaguishi pelo método Naikan. Eles foram ao Japão, participaram de alguns cursos, conheceram o método e resolveram trazer para o Brasil. Penso que a principal motivação para isso foi o mesmo amor que os fazem promover o Tokkou – Curso Especial em Reunião de Kensan, uma vivência de 8 dias em que se faz uma pesquisa profunda sobre si mesmo (o “Eu”), sobre a vida humana e a sociedade.

Nos Tokkous em que participei, também notei que a maioria de nós tem dificuldades para se concentrar nos temas propostos porque as histórias pessoais vem para o primeiro plano. E as histórias emotivas, com sentimentos de raiva, mágoa, ressentimento… quando são lembradas, pedem atenção pra elas. Converso com meus amigos da Vila sobre isso. E sempre nos perguntamos o que poderia ser feito para que esses temas pessoais pudessem ter seu momento de cura e permitir que as pessoas pudessem aproveitar melhor o Tokkou. Hoje, depois de vivenciar um Naikan, também acho que esse método pode ser uma oportunidade de curar o passado.

O que relato agora é a minha experiência ao participar do meu primeiro Naikan:
Continue a ler

É possível uma sociedade feliz?

Já falei aqui, em outro artigo, de como conheci o Curso Tokkou e hoje pretendo falar um pouquinho sobre a Vila Yamaguishi, onde acontece o Tokkou.

Além do Brasil, existem Vilas Yamaguishi na Suíça, Alemanha, EUA, Coréia, Tailândia, Austrália e em mais de 40 locais no Japão, onde surgiram.

Nessas vilas, várias famílias de voluntários vivem uma vida sem posse. Moradia, alimentação, roupas, são todas gratuitas, não há salários, não existem chefes nem patrões, portanto, não há em absoluto ordens a serem obedecidas.
Continue a ler

O que é o Tokkou?

Depois de conhecer a permacultura e já há algum tempo na minha caminhada no SeteLombas, fui fazer um curso na Vila Yamaguishi em Jaguariúna SP, em outubro de 2003. O curso de agrofloresta com o Ernst Götsch foi revelador, mas também houve um outro acontecimento marcante. Lá, encontrei sobre uma mesa, um folheto a respeito de um curso que acontece na vila algumas vezes por ano, de nome Tokkou.

Algumas palavras do texto me tocaram e ficaram em minha mente por um bom tempo até que resolvi participar do Tokkou, em setembro de 2004. E essa foi para mim a experiência mais libertadora da minha vida.
Continue a ler