Tag: poesia

Das janelas de casa

Com alegria, compartilho mais alguns poemas escritos e revisados nos últimos dois anos, os quais organizei em mais um e-book, que chamei “Das Janelas de Casa”. Clique na capa do livro abaixo para baixar, depois de ler, comente, divulgue e compartilhe. Aqui me proponho a escrever contemplações, observações sem julgamentos. Aqui me disponho a lutar […]

Continue a ler

2o. Café Poético dia 19/09 no Oikos

Dia de 19 de setembro acontecerá o segundo Café Poético no Oikos. Participei do primeiro e estarei lá nesse também. Tem apresentações culturais muito bacanas e um café delicioso para acompanhar a conversa com os amigos. Confira a programação e saiba como participar http://www.oikos.org.br/

Continue a ler

Café Poético no Oikos

Continue a ler

Setelombas musicado

Estava pensando no que poderia disponibilizar em mp3 aqui para testar o recurso de podcasting que pensamos usar em breve para algumas prosas ao pé do ouvido sobre as nossas experiências no SeteLombas. Então lembrei da poesia “SeteLombas” do mano João, que fala sobre o sítio e que o Bruno, um colega de trabalho dele, […]

Continue a ler

O Jardineiro – poesias de amor à Terra

O JardineiroEsse livro é um marco muito especial para o povo das SeteLombas. É ao mesmo tempo o lançamento do terceiro livro do poeta João Marino Vieira, “O Jardineiro – Poesias de amor à Terra“, é a primeira publicação da comunidade SeteLombas, teve a cooperação de toda a família Vieira.

Para minha sorte, o poeta João Marino Vieira nasceu meu irmão. Por meio de suas poesias aprendi a encantar-me com a música do casamento das palavras e a reconhecer o poder da poesia para chegar aonde as palavras cruas, temperadas apenas de sentido lógico, não conseguem. Entendo o que uma poesia quer me dizer, não pelo significado puro das palavras, mas pelos sentimentos que despertam em mim.

Continue a ler

Esperando nas estrelas

Espere-me nas estrelas!
Em parte já vivemos lá,
no tempo escuro/claro da noite que antecede o dia
e a ele se segue em ciclos de eternidade.
Em parte vivemos lá,
como loucos vagando pela imensidão de lumes que não ofuscam.
Um indizível parque de diversões,
com suas luzes nas alturas e brinquedos surpreendentes,
que proporcionam as mais diversas sensações,
que nos estimulam a intuição,
que nos levam ao saber.
Continue a ler

A casa onde moro

Na casa onde moro
Ainda tem o giro-giro dos pássaros de rios e lagoas;
Ainda tem matas e florestas
E lá, bem dentro delas,
O pio de curicacas e inhambus,
Aranquãs e uirapurus.
E pra sorte de todas as curas,
O sol é despertado com cantorias
De sabiás e saracuras.
Continue a ler