Sanitário compostável

O sanitário compostável, também conhecido por fossa seca, sanitário seco e ‘composting toilet’, fecha o ciclo de nutrientes, transformando as fezes humanas em composto orgânico seguro, sem problemas com odores e sem contaminação do solo e da água.

O sanitário compostável, como o próprio nome diz, é um sanitário que usa o método da compostagem das fezes com serragem e papel higiênico, eliminando a necessidade de água potável para empurrar as fezes esgoto abaixo e ainda de quebra gerar um ótimo aditivo para o solo. Com este sistema, a água e o solo não são contaminados e cada família pode resolver o problema do esgoto doméstico sem depender da prefeitura para isto.

Esquema de funcionamento do sanitário

Sistema escolhido
Hoje em dia existe uma série de soluções disponíveis, inclusive tão compactas que cabem inteiramente dentro de casa. Porén, como preferimos as soluções mais simples e de fácil manutenção, vamos expor aqui o modelo construído no sítio SeteLombas.

Este sistema se adequa melhor para construção separada da casa. Mas em casas com dois pisos ou com uma declividade natural do terreno próximo a casa, pode ser contruído colado à casa, que além de economizar uma parede, dá acesso por dentro de casa. Já vi muitos modelos usando este sistema, basta usar a criatividade sem deixar de lado os critérios básicos de funcionamento.

Condições básicas para o funcionamento:
Depois de algumas construções e observações no uso diário, elegemos as seguintes condições para que este sistema funcione de maneira correta:

  1. Altura da câmara: esta medida se refere ao espaço para a bolsa de ar quente que deverá se formar na parte mais alta da câmara, encostada na parede de trás do sanitário. Se essa dimensão for insuficiente, o ar quente que sobe pela chapa preta e sai pela chaminé, tenderá a escapar para dentro do sanitário provocando um desconforto para o usuário (um arzinho quente subindo entre as pernas), além do odor.
  2. Dimensões: As medidas do sanitário são definidas pelo tamanho das câmaras, da inclinação da rampa e da noção de conforto para as pessoas que vão usá-lo. As câmaras devem ter cerca de 1 metro cúbico de espaço para o material a ser compostado. Portanto, a largura de uma câmara é aprox. 1 m, e o sanitário, como tem duas câmaras, terá 2 m de largura. Para a altura e largura do assento, altura da porta, do teto, etc. basta usar uma fita métrica em modelos convencionais. Nós preferimos repensar todas essas medidas tirando nossas próprias medidas: em pé, sentados, etc. e verificando quais dimensões do sanitário trariam mais conforto e comodidade para toda a família e visitantes.
  3. A rampa: inclinação mínima 45º. Para uma boa compostagem, é necessário que o material seja misturado, mas como neste caso é uma tarefa manual indesejável, a rampa possibilita que o produto fecal role envolto em serragem até o final da rampa. Portanto é impressíndível que a rampa seja lisa e que antes do primeiro uso a rampa seja coberta com serragem. Para a serragem parar na rampa pela primeira vez, basta molhar a rampa antes de colocar a serragem.
  4. Altura de queda até a rampa: aproximadamente 80 cm para provocar o início da rolagem.
  5. A chapa preta: provoca o aquecimento do ar das câmaras que entra pelo buraco do assento e sobe pela chaminé. Por isso da importância da chapa ficar (aqui no Brasil) voltada para a face norte (o lado que bate sol o dia todo). E sem barreiras para o sol, como árvores atrás do sanitário.
  6. A serragem: é o que permite, juntamente com o papel higiênico o processo de compostagem (fermentação) da mistura com as fezes, provocada por microorganismos. Uma inovação que fizemos foi incluir uma caixa para o depósito de serragem sob o assento com acesso por uma tampa com dobradiças entre as duas tampas das câmaras. Economiza espaço disponível dentro da casinha, pois dispensa o uso de tambores para isso e aumenta o volume depositado.

Após o uso de uma câmara por um período de 3 a 6 meses passa-se a usar a outra câmara. No final de cada período de repouso retira-se o composto da câmara e alterna-se novamente o uso das câmaras. Para evitar o uso da câmara no período de repouso, fizemos o buraco no assento apenas em uma tampa. Quando da troca da câmara em uso, basta desaparafusar as tampas e trocá-las.

Como usar:

  • Jogar na câmara uma medida de serragem após cada uso;
  • Não jogar dentro das câmaras materiais inorgânicos. Disponibilizar um lixeiro no sanitário para objetos como absorventes femininos, fraudas, etc.;
  • Os homens devem evitar fazer xixi (fazer no mato ou num coletor apropriado). Já as mulheres pelas dificuldades inerentes (de privacidade) ficam liberadas desta prática. Outra possibilidade é mudar o sistema para que a urina seja captada e não se misture ao composto, pois o excesso de urina vai prejudicar o processo de compostagem.
  • É bom colocar um cartaz na porta, pelo lado de dentro, destacando os bons hábitos de uso do sanitário, principalmente se for de uso público.

Como construir
O ideal de uma construção ecológica é usar mais de uma técnica e tipo de material, adequando a disponibilidade com a nessidade de cada estrutura. Para o nosso sanitário utilizamos tijolos com argamassa para a construção das câmaras, madeira de eucalípto para o abrigo e bambú para os espaços de ventilação. O ideal seria uma construção totalmente ecológica, mas é melhor do jeito que fizemos do que continuar com sanitário convencional.

Vistas frontal, lateral e traseira do sanitário

Abaixo uma galeria de fotos mostrando o passo-a-passo da construção desse modelo de sanitário:

Links para outros modelos de sanitários compostáveis:

Saiba mais:
Outras alternativas para tratamentos de água

66 respostas para “Sanitário compostável”

  1. Gostaria de encaminhar as imagens do banheiro compostável que eu e meu marido implantamos em nossa residência na região rural de São José dos Campos/ SP. Desde o primeiro uso a camara de compostagem foi um sucesso, vinculada diretamente à casa não gera nenhum tipo de odor, e foi bastante interessante perceber que crianças e visitas se adapataram bem e facilmente à necessidade da ausência de urina no interior da camara, mas resta a dúvida se poderemos mesmo misturar o papel higiênico no local de compostagem. Gostaria de saber como encaminho as imagens de nosso sanitário e gostaria de receber maiores informações sobre bibliografia de permacultura.

    Grande abraço,

    Marcela Veiga

  2. Parabens pelo artigo.
    estou interessado em implementar esse tipo de sanitario, mas ainda tenho dúvidas com relacão às distancia mínima da residencia, aos odores( não permanecem no terreno ao sairem pelo respiro?)e principalmente como é feita a higienisação do assento, se não podemos usar agua?

  3. Olá! Sou estudante de Edificações, e, quero saber vocês podem enviar-me algumas dicas sobre: “como construir um banheiro ecologicamente correto”. Obrigada!

  4. Obrigado pela informação sou estudante finalista de arquitectura e planeamento físico e estou a fazer um projecto de sanitário publico ao longo da marginal e o setema é bem vinda para ser aplicado neste local.

  5. Estes sistemas sao otimos para o nossa sustetabilidade e equilibrio entre todos os reinos. Sou fundador de uma organização que trabalha com reciclagem, de meneira geral, E tudo é bom neste sentido.

  6. gostaria que vcs enviem o projeto pra meu e-mail com mais detalhes da construção do banheiro seco pois quero inserir o projetos em algumas comunidades do maranhão

  7. Olá Bruno, o Bason foi projetado para fluxo contínuo. Tem sempre material novo entrando e material compostado saindo. Como ele faz isso? Só tem uma câmara, mas ela tem dois espaços separados funcionalmente. Um (A) logo abaixo da abertura de uso, no início da câmara, com uma rampa de inclinação leve. E outro (B) no final da câmara, plano e mais baixo. Seu funcionamento correto requer uma atenção periódica. Pois periodicamente o usuário deve retirar o material do espaço B onde está o material mais antigo e compostado e depois rodar uma manivela que faz o material do espaço A passar para o B. Entre em contato com o instituto Tibá para obter mais informações sobre o Bason. Me parece que eles tem uma cartilha sobre esse sanitário para vender que explica a construção e o funcionamento corretamente.

  8. Olá, gostaria de parabenizar a todos pelo site, é muito didático.
    Tambem gostaria de tirar uma dúvida. Eu utilizo um banheiro seco do tipo baldinho e tenho interesse em fazer um do tipo bason. Se ele possui apenas uma camara, como posso ter composto apos um ano, se estarei sempre utilizando? é preciso ter dois? É preciso utilizar serragem tambem?

    Grande abraço.
    bruno.

  9. Parabéns pela iniciativa, pois é importante que se divulgue modelos alternativos como esse, gostaria de saber se não aumentará a incidencia de moscas etc e qual a forma mais economica de se fazer. Gostaria que me enviasse uma planta (projeto) para que pudesse implementar em minha chácara aqui em Brasília. Aguardo um contato e mais uma vez o parabenizo.

  10. Ola
    Recentemente comecei a me interessar sobre o assunto, passei a achar a compostagem muito interessante. Alguns mencionam sobre a contaminacao de patogenos sobre o material de compostagem tornando material improprio para cultivar qualquer tipo de coisa, gostaria de saber se existe esta possibilidade e tambem gostaria de saber se nao existe perigo do sanitario pegar fogo pois acho que a camara por ser quase todo fechado pode produzir muito gas metano.

    Obrigado Edson

  11. gostei bastante dessa possibilidade de fossa seca. No entanto procuro sistema adequado a Oiapoque, norte no Amapa, onde reside um filho meu. Por favor enviar informacoes para paes.fs@gmail.com
    Muito obrigada. Maria Helena

  12. Gostei muito da matéria, estou fazendo um trabalho sobre fossa seca e achei tudo que eu precisava, faço curso técnido de meio ambiente, já estou no segundo módulo.
    Um grande abraço!
    Ju

  13. Gostaria de saber sobre o manejo cotidiano do BASON, quanto aos odores, tipos de materiais e quantidades a serem adicionadas aos dejetos após cada dejeção, o processo de aeração (já que pelo que entendi consideram ocorrer biodegradação aeróbia), o manejo e a aplicação do composto, as características e composição do composto em relação aos nutrientes e patogênicos.
    obrigado
    DARIO

  14. companheiro Itamar,
    estamos implantando conceitos de permacultura em uma área de mata atlântica (50 ha), que possuímos no interior de São Paulo. O objetivo principal nessa área é a difusão de técnicas sustentalvelmente viáveis, além do ecoturismo.
    No local, estamos na fase final de construção de um banheiro seco (Humus sapiens). O último item é o revestimento do compartimento onde os dejetos ficarão depositados. A área possui 3X2 m, que, segundo informações do projeto, deve ser feita com chapa metálica, pintada de preto e totalmente vedada, para se evitar a infiltração de água e a perda de calor.
    Até aí tudo bem. O problema é o custo de uma chapa dessas. inicialmente pensamos em uma chapa de zinco, o que nos assustou, devido ao seu custo, já que ela deve ser maciça (peça única).
    Gostaria de sua ajuda em opções para este problema. Poderíamos usar outro tipo de chapa, como o alumínio, por exemplo?
    O manual ressalta que o material em questão deve ter grande capacidade de retenção de calor, o que irá auxiliar no processo de compostagem de dejetos.
    Conto com sua ajuda.
    Um fraterno abraço a irmandade que, por meio da permacultura encontra formas simbióticas de convívio com a Mãe Terra.
    Celiobio

  15. Olá Itamar,
    obrigado pelas informações, serão muito úteis no banheiro que estamos começando a construir. Sou coordenador de um curso de Geografia aqui em Sampa e estamos querendo formar uma turma de Pós-graduação em Educação: Autonomia e Permacultura. Fiz o curso Bioconstruindo lá com o André Sobral e estamos querendo nos integrar à rede. Também faço parte da diretoria de uma OSCIP (Instituto Neotropica) e pensamos em viabilizar um PDC para as pessoas do Instituto e mais alguns interessados. Você teria interesse em nos ajudar com alguma parte do curso, seja na forma de palestra ou, de preferência com alguma vivência prática?
    O que seria necessário para viabilizar isto em caso positivo?
    Aguardo seu contato, ok?
    Grato pela dica do curso Tokkou, fiquei interessado em fazer o próximo em Maio.
    Abraços
    Leandro

  16. gostaria de obter o pré projeto do sanitario compostavel pois tenho uma ong e gostaria de colocar esse projeto em pratica,mande tambem o material necessario e o custo obrigado,aguardo sua resposta.

  17. Olá!

    Gostaria de construir uma casa ecologicamente correta. Existe alguma empresa que faça este tipo de trabalho? (casa de adobe, bambu, etc). Ou até mesmo pessoas que posso contratar para fazer este serviço?
    Também tenho interesse em fazer cursos neste sentido, gostaria que me enviassem material de divulgação.

    Obrigada, no aguardo!

  18. Olá Fernanda, não há prazo de validade para o material, pode ficar mais de 6 meses sem problemas. Para retirar o material são usadas as duas portinhas na parte de traz do sanitário. Dá pra ver no segundo desenho, na vista traseira. Ou por essa foto.

  19. Estamos reformulando a casa de praia e como é pouco utilizada (mais ou menos 3 meses,só nos fins de semana)com proceder para remover o material,ele pode ficar depositado por mais tempo?Onde fica a abertura para a remoçao?Grata Fernanda

  20. Carmiranda, conforme a técnica de construção os valores podem mudar, nós usamos nesse caso materiais bem convencionais e ficou algo em torno de R$ 1.500,00. Mas se você usar bambu, terra, madeira local e fibras vegetais para o teto, pode ficar quase sem custo. Quanto a utilizar cinza no lugar de serragem, não é a mesma coisa. Cinza não contém carbono. Na lenha depois de queimada, o carbono vira fumaça, ou seja, gás carbônico, restando apenas os minerais. Você pode substituir a serragem por aparas de poda como galhos finos, folhas e gramas (picados) e até musgo. A cinza é ótima de usar junto com o composto no solo, pois seus minerais serão devolvidos ao solo.

  21. Bom dia, Itamar.

    Adorei a ideia. Estou querendo fazer um na fazenda do meu pai. Lá agente ainda utiliza as bananeira.rsrs
    Este modelo que vc fez quanto de material vc gastou? A serragem pode ser substituida por cinza? Afinal a cinz tb é composto de carboso. Se puder mande pra mim a planta deste banheiro (planta baixa) com medidas e material gasto.

    Obrigada, e parabéns pela iniciativa.

  22. Olá José, a solução que você relata é interessante. Mas ao meu ver ela tem uma questão para pensarmos: Se a urina for coletada depois de estar junto das fezes, ela poderá conduzir patógenos para fora do sistema. O sistema já não seria a prova de contaminação do lençol freático e solo. Se a urina for coletada antes, não há problemas, como falo no artigo. O que acha?

  23. Olá, amigos!

    Tenho uma sugestão para o problema do excesso de urina nas câmaras de compostagem: a base das câmaras deveriam conter findos falsos com buracos para drenagem e uma mangueira conduziria o excesso de líquido para um círculo de bananeiras e/ou mamoeiros. Tive vivência com sanitários compostáveis na Austrália e a drenagem do excesso de líquido é lá uma solucão trivial. O livro de David Del Porto e Carol Steinfeld, “The Composting Toilet Book”, também menciona que a drenagem do fundo das composteiras aumenta significativamente a eficácia e a eficiência do sistema a um custo reduzido e com ganho de conveniência. Que negócio é esse de mijar no mato? Para que ? O excesso de líquido pode ser facilmente minimizado drenando-o e/ou acrescentando mais matéria carbonácea às composteiras.

    Abracos fraternais,
    José

    P.S. : não me incomodo se publicarem meu email.

  24. Olá Fábio, não sei como responder todas as suas indagações sem conhecer o local propriamente. Mas com relação ao sanitário compostável para 12.000 pessoas não tem problema. As câmaras são isoladas, não poluirão o solo. Tem uma capacidade média de 1 m3 de armazenamento de composto, então o tempo de 1 semana não será problema. A questão é: quantos sanitários serão necessários? Não sei. O critério para o cálculo deve ser quantas pessoas precisarão ir ao sanitário ao mesmo tempo, num universo de 12.000 pessoas. Lembren-se de mostrar com cartazes como usar adequadamente os sanitários.

  25. muchas gracias por la informacion, saludos desde mexico, e intentamos implementar este concepto del baño compostal aca, esperamos que funcione…. ciao….

  26. Valmir, existe sim, ao menos no exterior. No Brasil ainda não tive notícia de vasos sanitários como esse que você fala. Eu pessoalmente prefiro o banco de madeira com acento de vaso tradicional, como está no projeto construído no sítio. Mas é possível construir um vaso com a funcionalidade de separar a urina. Ou se você encontrar um pronto, acho importante observar que o formato não deve permitir que os dejetos grudem nas paredes, pois não terá como lavar e nem que acidentes aconteçam, como fezes acabarem no lugar da urina.

  27. Gostaria de saber se existe algum tipo de vaso sanitario,onde a urina possa ser coletada separada das fezes,e,estas ,sendo eliminadas com descarga hidrica?
    Me lembro ter visto num site ,mas não registrei.
    Um abraço

  28. Oi Renato,
    no núcleo da compostagem a temperatura pode chegar a 70 graus C. Mas mesmo no inverno a temperatura pode alcançar este nível. Lembre-se que o material está numa câmara, com uma tampa metálica preta para favorecer o aumento de temperatura ou para aliviar os efeitos do inverno.
    Mas se você quer algo 100% garantido, seria interessante colocar o material pronto (composto) em um minhocário, para que seja transformado em humus e usado posteriormente no solo da horta.

  29. Boa tarde Sr Itamar.
    Pesquisando sobre este tipo de banheiro me surgiu uma dúvida.
    Como a eliminação das bactérias é feita pela relativamente alta temperatura que está dentro das câmaras.
    Como fica o processo de compostagem no inverno, ou quando está frio?
    obrigado.

  30. Ola, gostei mutio do material e estou desenvolvendo um trabalho sobre as bacterias que atuam no banheiro seco, e estou tendo dificuldades de achar os nomes dessa bacterias, gostaria de encontrar algum material, se por acaso tiver agradeço.
    obrigado.

  31. Já perguntei isso pra um arquiteto no curso PDC do Sítio Çara Kura e ele achou que não tem problema usar o círculo de bananeiras para a água da higienização pois seria pouco material fecal. Já a urina poderia trazer mau cheiro no círculo de bananeiras. Alguém tem que fazer pra ver isso.

  32. Olá Aldo,

    tenho um amigo biólogo que está pensando em instalat um lavatório no sanitário para a higienização e que também será usado como mictório, cuja água depois de usada irá para o círculo de bananeira.
    Não sei se isso funciona… ou seja, se é um ciclo fechado, parece que sim.
    No momento não estou preciando dessa função no sanitário, mas parece que está caminhando para uma solução parecida.
    O que você já pesquisou? O que acha?

  33. Olá. Acredito que muitas pessoas, depois de…. defecarem, tenham o hábito lavar a região em questão ao invés de apenas passar o papel higiênico. Pelo que vi isso não é levado em consideração no sanitário compostável. Se fosse feito algo para… lavar a bunda no sanitario compostável a água usada poderia ir para o círculo de bananeiras?

  34. Olá Itamar, tem lido um pouco sobre compostagem, mais tenho dúvidas quanto o vaso a ser usado nesse porcesso, pode ser usado vaso sanitário convencional? quanto nós mulheres teriamos que fazer xixi em outro recibiente,ou seja, teria que ter outro sistema de canalização? não vou construir, é para meu trabalho de final de graduação, Abraços.

  35. ola tenho uma chacara, mas ainda sem agua e sem luz, queremos construir um banheiro ecologico mas ainda tenho duvidas quanto ao odor e quanto ao tempo que devemos deixar o composto para se tornar adubo.se puder me esclarecer mais profundamente, agradeço….obrigado.tambem queremos fazer um rancho ecologico, se puder me dar umas dicas de como construir e acoplar o banheiro ecologico nele, agradeço…me de um retorno breve, por favor……

  36. Oi pessoal
    A minha área de pesquisa está centrada nesta matéria.
    Estou estudando aqui noBrasil mas sou de Cabo verde e pretendo tentar implantar de certa forma esta técnica em algumas regiões do país onde a água é escassa ou nenhuma.
    Mas há algum tempo atrás li um artigo que dizia que esse “adubo” também poderia gerar energia eléctrica.
    Perdi o site onde li esse artigo . Se souberem de alguma coisa me repassem.
    Abraço
    Luz

  37. Estamos desenvolvendo um projeto de turismo etico e ecologico no norte de Mocambique e acabamos de convencer nossos investidores dos beneficios da utilizacao de sanitario seco. Tenho o livro Arquiteto Descalco e ja fiz algumas pesquisas. Mas como este sera para utilizacao do publico em um lodge de um certo luxo, precisamos de um sistema discreto e inodor.
    Nosso grande desafio sera de provar o sistema eficiente, confortavel que nao afete nosso marketing.
    Existe um Lodge em Mocambique utilizando o Enviro Loo, fabricado na Africa do Sul com sucesso, mas gostariamos de construir nos mesmos.
    Nossa ideia e de adaptar o sistema Bason.
    Agradeco dicas e sugestoes.

  38. Amigos, eu tenho um pequeno lote perto da praia e gostaria de construir uma casinha no terreno, mas há necessidade de ser construiída, no local, uma pequena fossa. Eu tenho visto
    alguns moradores dali fazerem pequenas fossas em tijolos e cimento, mas eu gostaria de ter uma orientação precisa sobre
    esse tipo de construção, a fim de não cometer algum erro. Aguardo, por gentileza, uma informação, pela qual ficarei profundamente grato.

  39. Tereza Cristina,
    qual o problema que você quer resolver? Quanto melhor for o retrato que você fizer de sua situação e das suas necessidades, mais adequada a solução.
    (a soluçao está no problema)

  40. Parabens!!! por esta disponivel seu projeto maravilhoso.Para as pessoas que desejam serem adeptos a esse sistema e nao tem como adquirir por ter pouca condiçoes. Gostaria muito que vc desse outras ideias mas facil para que eu podesse realisar o meu projeto da permacultura com fossa domestica no meu sitio simples e humilde.
    Um grande abraço que Deua lhe der em dobro um grande conhecimento intelectual.
    Tereza Cristina
    Assu/RN

  41. Olá Amigos!
    Prabéns pelas informações bem elaboradas sobre o sanitário emplantado ai!!!
    Gostaria de saber se voce conhece algum sanitario que use camaras móveis de compostagem ( como por exemplo galões de 200 litros) possibilitando um menor espaço para ser aplicado?!?!Estou querendo fazer um em minha casa….conheço esse modelo tradicional mas gostaria de reduzir principalmente o espaço….
    Grato pela atenção e luz para a realização consciente de causas nobres

  42. Olá Jadir,

    um modelo de sanitário compostável menor que o apresentado aqui, mas que se encaixa facilmente a construção de sanitários compostáveis integrados à casa, por ser menor, é o modelo Bason, que é detalhadamente explicado no livro “Manual do Arquiteto Descalço”. Pretendemos construir um em breve para a nova casa do sítio.
    Mas se a casa já está construída a melhor solução seria comprar um sanitário compostável compacto como os que estão nos links no final do artigo. Não conheço fornecedor no Brasil. Já pesquisei o suficiente para construir um para usar na nossa casa na cidade, mas… minha família não concordou com a idéia. A questão principal que dificulta o uso é o manejo semanal ou mensal, este sim um hábito difícil de mudar, a aversão que as pessoas tem com relação ao cocô.
    Outras questões também tem que ser levadas em conta… mas depende da solução adotada. Alguns requerem compostagem mais rápida porque o depósito é pequeno, para isso é necessário uma mistura balanceada de matéria orgânica como turfa e musgos ao invés de serragem, para colocar antecipadamente no depósito, cerca de 1/3 do volume, para ser misturado a cada uso, girando o depósito por meio de uma manivela. Ou a troca do depósito a cada vez que encher, transferindo para um recipiente maior para concluir a compostagem.
    Publiquei alguns links novos no final do artigo para sites que falam do Bason e os compactos.

  43. Parabéns pela matéria apresentada. Me interesso pela Permacultura,e, ando a procura de uma modelo de fossa seca, seguindo a linha da Permacultura, para ser utilizada dentro de casa, na minha propriedade rural. Acredito que, quem estuda e dissemina os conceitos de permacultura, deve procurar adaptar técnicas que sejam aplicáveis no dia a dia, pois, isso envolve mudança de padrões sociais e costumes. Tudo isso leva tempo para ser mudado na cabeça das pessoas.
    Parabéns a Rede Permear!

  44. Luiz Carlos, você pode continuar pesquisando sobre permacultura e difundir na sua região com a sua prática e pode acelerar esse processo organizando um curso PDC com sua comunidade. Pra isso basta achar as pessoas interessadas e convidar um professor de permacultura para facilitar o curso. Acho que esse pode ser um bom jeito de iniciar a aplicação da permacultura na sua região. Se você ler nossos relatos do SeteLombas, verá que foi assim que começemos a 7 anos atrás. A caminhada começa quando damos o primeiro passo.

  45. Luiz Carlos Walger, uma solução possível para o coletor de urina é instalar um mictório, na parede interna do sanitário, conectado a uma mangueira que conduzirá a urina para um depósito (tambor plástico) do lado de fora do sanitário. A urina pode posteriomente ser diluída em água na proporção de 1% (1 litro de urina e 99 litros de água) e ser aplicado na irrigação ou na proporção adequada como fonte de nitrogêneo para a produção de composto orgânico.

  46. Parabéns pela matéria que pretendo por em pratica. Só fiquei com duvidas em relação ao seguinte: Qual é a melhor solução em relação à urina, uma vez que este ato é muito mais frequente (principalmente aos adeptos do chimarrão aqui do sul). Poderia me passar idéia de coletores e destinação da mesma?

  47. Obrigado pelas informações, pretendo utilizar um sanitário desse no sítio em Serrinha-RN onde não há água disponível. Alem de poder utilizar o material numa pequena reserva, a natureza agradece.
    Infelizmente aqui em PE, PB e RN não temos nenhum instituto de permacultura, pra nos ajudar.

    Grande abraço a todos.

  48. Olá Marcio, obrigado pelos comentários. Fiz algumas alterações e correções no texto e atualizei as imagens do projeto, incluindo algumas medidas e as melhorias que fizemos na prática, como a caixa de serragem entre as duas câmaras.

  49. Parabens pela didatica , desenho e clareza. Eh bom que acrescentem medidas aas outras vistas do projeto. Haa alguns erros no portugues. Eu nao posso ser criticado porque meu teclado estaa desconfigurado. Sucesso. Grato a voces por divulgarem assunto tao importante para a vida no planeta. Abracos, Marcio.

Deixe uma resposta para Renato Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.