Sustentabilidade é o mínimo

O termo “sustentabilidade” aos poucos vai perdendo a identidade com a sua origem ou com as idéias que o forjaram. Nasceu das discussões sobre quais as condições mínimas para que um empreendimento ou atividade humana garantissem seus benefícios para o ser humano e o ambiente tanto agora como em um futuro indefinido. As qualidades quase esquecidas são: ecologicamente correto, socialmente justo e economicamente viável. E eu acrescentaria culturalmente aceito, divertido e belo.

Das iniciativas para que as atividades humanas sigam nesse rumo, acho que o lado econômico da equação é o que encontra mais dificuldade para ser resolvido. E sem ele o resto não consegue êxito. Simplesmente porque não chama a atenção de ninguém, ou quase ninguém.

Esse tem sido meu tema de pesquisa nos últimos tempos. E quando pesquiso um tema ou observo algo, estou sempre em busca de um padrão, de uma visão sistêmica que se desdobre naturalmente, uma ordem natural. E nessa direção encontrei as idéias de dois homens, William McDonough e Michael Braungart. Eles estão fazendo trabalhos excelentes em arquitetura e design. E estão conseguindo tornar a sustentabilidade uma idéia atraente para empresários e para governos.

O conceito principal deles é “lixo igual a alimento”. Isso é música para meus ouvidos. Calma, eu explico… Lendo artigos sobre as idéias da dupla não havia encontrado ainda tal afirmação e nem dado muita importância, pensando tratar-se de oportunidades de negócios apenas. Mas quando assisti a um documentário (canal TV Escola) sobre o seu encontro e seus trabalhos práticos, pude entender melhor. Suas idéias estão na mesma frequência da permacultura. Traduzindo… o que sobra de um processo é alimento para o seguinte, até que volte ao solo, sendo alimento para outros processos naturais. Tudo que fizermos, desconsiderando isso, irá resultar em problemas futuros de poluição, além de enormes gastos de energia desnecessários. Uma compreensão correta desses fatos cria as condições para vislumbrar novas maneiras de viver.
Por isso, … a sustentabilidade é o mínimo que podemos fazer.

Algumas referências sobre os trabalhos de McDonough & Braungart:
Abordagem: berço-a-berço (português);
Comunidade: berço-a-berço (inglês);
– William McDonough (inglês);
Michael Braungart (inglês).
– Vídeo “Alternativa berço a berço” no canal tvescola (português). Se for por uma boa causa posso enviar via ftp.

Marcado com

13 comentários em “Sustentabilidade é o mínimo

  1. A preocupação com a sustentabilidade incentiva a curiosidade e a consciência das pessoas sobre responsabilidade social e ambiental das coisas e sobre as pessoas. Deixo aqui uma dica de empresa que também se enquadra nessa responsdabilidade social e ambiental: http://www.estilopack.com.br/ Obrigado, Boa tarde!

  2. Caro Itamar e demais participantes, encontrei o vídeo para download sobre o documentário “Alternativa berço a berço”. Segue o link abaixo:
    http://baixandocdsgratis.com/2011/02/20/documentario-%E2%80%93-alternativa-berco-a-berco/
    Obs.: O vídeo está dividido em 2 partes.
    Obs. 2: Se achar mais seguro, pode acessar o site http://baixandocdsgratis.com e no campo de busca no canto superior esquerdo do site digitar “Alternativa berço a berço” e clicar em “pesquisar”.
    Espero ter ajudado, um abraço.

    1. Valeu Bruno!

  3. O 7LOMBA O BELCHIOR JÁ APARECEU, AGORA TEMOS QUE ACHAR O VÍDEO “ALTERNATIVA BERÇO A BERÇO”, POIS NEM A PRÓPIA TV ESCOLA NÃO TEM MAIS ELE, O QUE HOUVE???

  4. caros amigos, gostaria de expressar meus pesares pois estamos numa situação muito complicada no mundo global….
    Muitas pessoas querendo ter um vídeo de tamanha importância na área da educação, tecnologia, ciências e outras e o vídeo simplesmente some, até o cara que o colocou nesta página o retirou, mas é assim mesmo, o que nos interessa some, agora imagens de um tal de BBBosta, esta em qualquer bit da iternet, realmente fica difícil acreditar em papai noel…..

  5. Vi o documentário hoje, 15 de março de 2010, na tv escola; achei espetacular e fiquei feliz poque estou vendo que os empresários podem pensar no meio ambiente: atividade humana socialmente aceitáel, ecologicamente sadia e economicamente sustentável. Há um campo enerme para criatividade de engenheiros, arquitetos, estilistas e criadores de bens.

  6. Caro Itamar,

    Soube desse documentário através de uma amiga. Você sabe se ele está disponível para download?
    Abraços,
    Regina

    1. Oi Regina, também tenho procurado. Cheguei até o site do Canal Escola do governo. Mas só encontrei uma pequena amostra. Se encontrar, postarei aqui.

  7. amo esse documentario,sou professora de geografia e gostaria de adquiri-lo em dvd para que meus alunos pudessem assistir e compreender a importancia da sustentabilidade para a natureza e as geraçoes futuras.

  8. quero que vcs fale de sustentabilidade e a musica

  9. Olá Itamar, estava dando uma viajada e entrei no setelombas, deixo um forte abraço ao amigo e sucesso.
    Deus te abençoe

  10. Oi Ita, bom saber que já está melhor irmão, viva!
    O Dr. Michael Brungart é um dos apoiadores/fundadores do OIA, aquela ONG de Petrópolis que saiu numa matéria muito bacana de Sérgio há anos atrás na Permacultura Brasil, dos biossistemas integrados – o projeto de tratamento de esgoto da comunidade do sertão da Carangola com biodigestores, tanques de macrofitas, peixes, patos, composto e mais. Esse projeto teve a participação do proprio Lutz, e do Dr. Chang – aquele do resgate moderno dos sistemas tradicionais de aquacultura no sudeste da China que tanto ouvimos falar no meio da permacultura. O site do OIA é o http://www.oia.org.br. Estou tendo o prazer de trabalhar com eles em algumas empreitadas e aprendendo bastante… além de tudo são figuras super dedicados e éticos. Vale a pena!
    Abração bem forte.

  11. A questão econômica está ligeramente associada ao antropocêntrismo dos seres humanos, sendo assim, os meios paliativos acima sugeridos pouco contribui para a evolução natural do ser humano…
    Agradecido,
    José

Deixe uma resposta para JULIO CESAR FARIAS Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: